Aumentar Publicações Científicas e residir nas Unidades Experimentais entre as 10 Recomendações de Angónia

Investigadores da Estação Zootécnica de Angónia (EZA), Província de Tete, receberam esta terça-feira (19 de Março) uma das 10 desafiantes recomendações deixadas pela Directora Geral do IIAM, Professora Doutora Zélia Menete, em visita de trabalho às Unidades Experimentais de investigação agrária naquela região agro-ecológica do Centro Zonal Centro (CZC). Trata-se de aumentarem o número de publicações científicas para dignificarem o seu estatuto privilegiado de cientistas agrários, considerados produtores de conhecimento e de soluções tecnológicas de que o país precisa para o seu almejado salto transformacional no desenvolvimento sócio-económico de que a agricultura é constitucionalmente a base.

Outra não menos desafiante recomendação recaiu sobre os quadros e investigadores afectos ao Posto Agronómico de Ntengo Umodzi e demais Unidades Experimentais, a quem Zélia Menete orientou que passem a viver nas instalações daquelas por forma a valorizarem os investimentos ali feitos. De entre as 10 Recomendações de Angónia, afigura-se-nos com propriedade referir que as duas acima adiantadas nesta lavra têm sempre vindo a dar corpo às intervenções de transformação institucional de que a Prof. Dra. Zélia Menete se tem socorrido para reerguer a esperança de resgate da auto-estima e da proactividade dos quadros e investigadores ao serviço da investigação agrária pública a todos os níveis. 

Podendo este 19 de Março ser considerado o “Dia das 10 Recomendações de Angónia” para toda a família do IIAM, Zélia Menete efectuou nesta data uma Visita de Cortesia ao Administrador daquele Distrito, Raimundo Bruno, com quem passou em revista assuntos de interesse do desenvolvimento da investigação agrária naquele ponto da Província de Tete, como por exemplo a necessidade de se prover recursos aos estabelecimentos de investigação ali localizados. E foi nesse contexto que a Directora Geral do IIAM deixou ficar a sua tese reconstituinte de que os técnicos deverão passar a viver nas Unidades Experimentais onde estejam afectos, valorizando-as.

As 10 Recomendações de Angónia foram enunciadas em 4 momentos diferentes: na audiência com o Administrador do Distrito, nos campos do Centro Tecnológico de Maué, no Posto Agronómico de Ntengo Umodzi, e na Estação Zootécnica de Angónia (EAZ). Acrescendo-se às retro arroladas, a Directora Geral do IIAM lançou as seguintes recomendações: em Maué, além de ensaios de adaptabilidade, fazer também melhoramento do milho e envolver instituições académicas no estabelecimento dos protocolos dos ensaios, mais concretamente no delineamento dos mesmos; em Ntengo Umodzi, aprimorar as actividades de investigação ali desenvolvidas, estabelecer ensaios para diferentes níveis de fertilização e adaptabilidade das culturas de milho e soja, e concluir a reabilitação das residências e do escritório; e na EAZ, realizar também pesquisa na área de galináceos.

Os campos de ensaios de adaptabilidade e avaliação de diferentes níveis de adubação e configurações de sementeira para as culturas de soja e milho visitados pela Directora Geral encontram-se instalados em Maué, distrito de Angónia, no âmbito do Projecto Chinyanja Triangle, numa parceria entre o IIAM e o Centro Internacional de Desenvolvimento de Fertilizantes (IFDC). Fazem parte do Chinyanja Triangle Moçambique, Zâmbia e Malawi. No Posto Agronómico de Ntengo Umodzi, guiada pelo Responsável do Posto Tergino Colher, a Directora Geral visitou igualmente campos de produção de semente de milho e soja.

Já na Estação Zootécnica de Angónia  (EZA), acompanhada pelo respectivo Chefe António Paizano e outros quadros visitou os currais e viu “ in loco” gado bovino, landim que é usado para cruzamento com as variedades exóticas com vista a conferir maior tolerância à doenças e carraças. Zélia Menete usou da ocasião para se reunir com os investigadores da EZA, tendo abordado aspectos sobre o funcionamento da Estação, actualização do Plano Estratégico, Estatuto Orgânico, orçamento e fundos do IIAM com especificação para cada local onde se situa uma Unidade experimental. (Roseiro Moreira, Stella Nhanala e Domingos Dias/IIAM).

VIVEIRISTAS E HORTICULTORES PRODUZEM 9800 MUDAS EM MANHÃ DE FORMAÇÃO NO CITTAU!

Um total de 9800 mudas de tomate, repolho e cebola foram esta quarta-feira (6 de Março) produzidas por Viveiristas e  Horticultores de Boane, em resultado de uma sessão de formação em campo levada a efeito pelo CITAU, Centro de Investigação e Transferência de Tecnologias Agrárias de Umbelúzi. Adjacente à Estação Agrária de Umbelúzi (EAU), no distrito de Boane, província de Maputo, o CITTAU é uma unidade do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM).

Tratou-se do Primeiro Curso de Formação de Viveiristas e Produtores de Hortícolas em matéria de produção de mudas. O objectivo da formação foi de partilhar as experiências dos pesquisadores do IIAM, apoiando os produtores de hortícolas a desenvolverem capacidades e competências locais para a produção de mudas de boa qualidade, como também promover a transferência de tecnologias agrárias desenvolvidas pelo IIAM e seus parceiros de investigação agrária. Para além de  15 produtores do Baixo Umbelúzi (Distrito de Boane), dos quais 7 homens e 8 mulheres, participaram na formação 4 técnicos do SDAE-Boane; 2 técnicos da EAU, 1 viveirista, e 6 técnicos do próprio CITTAU.

A formação cobriu uma abordagem inicial teórica em sala de aula sobre todo o processo de produção de mudas em bandejas e a sua importância, destacando-se minuciosamente as fases deste processo até à venda e/ou transplante das mudas no campo definitivo. Seguiu-se depois para a fase prática, em que os envolvidos participaram na preparação do substrato, enchimento das bandejas, sementeira e arrumação das bandejas no encubador.

Em termos de tecnologias, foi usado o substrato comercial feito à base da fibra de côco (Cocopeat) e enriquecido por sulfato de potássio, e as bandejas isopor de 200 células. Foram usadas sementes de três culturas: tomate (variedade Kilele), repolho (variedade Glória) e cebola (variedade Africa Red).

No total foram produzidas 9.800 mudas, que se encontram em desenvolvimento no  CITTAU, pevendo-se que num período de 4 semanas (28 dias) estejam disponíveis para transplante nos campos dos produtores. Terminada a formação, a Chefe do CITTAU, dra. Rasónia Saveca apelou aos produtores para que o conhecimento adquirido seja útil e aplicado na produção de mudas de boa qualidade para as diferentes hortícolas e assim elevar a produção e produtividade das mesmas. (Askot Alafi – CITAU/IIAM, com imagens de Gabriel Matsinhe – DDIC/IIAM)

SINTONIZADO ÀS NAÇÕES UNIDAS: IIAM ELEVA IMPORTÂNCIA DAS LEGUMINOSAS

Numa Mesa Redonda organizada pelo Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM), esta quinta-feira (29), último dia do mês dedicado às Leguminosas de Grão (Fevereiro) foi vincada a importância nutricional destas culturas alimentares, aumentando o conhecimento público sobre as mesmas. Bem concorrido, quer presencialmente quer através de plataformas digitais, o evento teve lugar no Centro de Formação Agrária de Maniquenique (CFAM), distrito de Chibuto, província de Gaza. O CFAM é uma unidade experimental e de transferência de tecnologias do IIAM situada no seu Centro Zonal Sul (CZS), que compreende as províncias de Maputo, Gaza e Inhambane. 

Sob o lema “Leguminosas: nutrir as pessoas e os solos”, o mundo inteiro festejou a 10 de Fevereiro, uma das suas maiores riquezas alimentares, as leguminosas de grão, entre elas: feijões, ervilhas, lentilhas, grão-de-bico, soja e amendoim. Com efeito, pesa sobre aquela data uma importância transnacional porquanto foi declarada Dia Mundial das Leguminosas, pela   Resolução 73/251 da Assembleia Geral das Nações Unidas, a 20 de Dezembro de 2018, desde então assinalando-se anualmente essa efeméride. Este reconhecimento a tão cimeiro nível da diplomacia económica mundial retempera a “importância das leguminosas na alimentação dos povos de todo o mundo”, como refere a imprensa internacional citando fontes documentais de organismos das Nações Unidas.

Moçambique, através do IIAM, não podia cruzar os braços vendo passar a caravana mundial pelas leguminosas de grão. Os pesquisadores destas culturas, ora orientados por uma Directora Geral que promove o debate público das conquistas da investigação agrária, fizeram da data um momento de reflexão e de partilha de conhecimento sobre as leguminosas de grão que se extrapolou pelo mês inteiro, celebrando o que há de bom nas referidas culturas para a salvaguarda de uma boa nutrição humana sem descurar o contributo delas para o melhoramento da saúde do solo.

Pesquisadores nacionais e internacionais de leguminosas são unânimes no posicionamento segundo o qual “estes alimentos são uma grande fonte de proteína e têm um baixo teor de gordura”. Esta constatação leva-os a considerem que “o seu consumo é muito importante, não só em situações de difícil acesso à lacticínios e carne, mas também no âmbito da prevenção e do combate à obesidade”.

Conforme uma das comunicações feitas na Mesa Redonda, a produção dos alimentos depende dos solos. Os solos saudáveis não só proporcionam bons limentos mas também fornecem os minerais necessários para evitar a desnutrição, o atraso no crescimento e outras doenças relacionadas com a deficiência de nutrientes, como a anemia – explicita o conhecimento científico de várias fontes. Por outro lado, as leguminosas não só fornecem alimento para a humanidade, como também mantêm os solos saudáveis. É dado como fidedigno que o seu cultivo ajuda a fertilizar os solos, impactando na redução do uso de adubos químicos. Os pesquisadores moçambicanos de leguminosas apontam até as espécies de leguminosas que mais podem contribuir para o restauro dos nutrientes no solo e melhorar a propensão destes para maior produtividade das culturas neles semeadas.

Entretanto, uma das recomendações saídas da Mesa Redonda de Maniquenique orienta para uma melhor estratégia de comunicação e maior socialização das leguminosas em todo o país, potenciando o IIAM como um todo e as suas unidades experimentais de transferência de tecnologias como o Centro de Formação Agrária de Maniquenique na promoção de eventos do género, Dias de Campo, cursos de curta duração aos produtores locais com pacotes tecnológicos e de comunicação efectiva orientados pela demanda. (Roseiro Mário Moreira/IIAM)

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM BOVINOS DE CORTE:IIAM Com Bons Resultados sem Catuane

Numa visita de monitoria efectuada esta terça-feira (27 de Fevereiro) pela Directora Técnica de Ciências Animais, Doutora Otília Tamele Tomo, a uma Unidade Agro-pecuária em Catuane, Distrito de Matutuine, Província de Maputo, foram revelados resultados encorajadores de uma campanha de inseminação artificial realizada pela Direcção de Ciências Animais (DCA) no transacto ano de 2023. A unidade em causa (Agro-pecuária Folha Verde) é uma das empresas pecuárias comerciais parceiras do IIAM, através da DCA nas suas actividades de pesquisa aplicada.

Os dados relatados apontam que de um universo de 121 vacas inseminadas nasceram 36 vitelos, correspondentes a 28,8% de partos. “Considerando que a percentagem máxima esperada seria de 33% numa única ovulação, este resultado é bastante positivo”, apontam investigadores da DCA envolvidos na operação.

A visita decorreu no contexto de uma parceria entre a DCA e a empresa de sementes K2, ao abrigo da qual ambas instituições pretendem ensaiar a adaptabilidade de duas variedades de Luzerna, uma de Capim da Rodésia (Já em campo desde 2023, com bons resultados) e uma última de mapira. forrageira. No quadro dessa parceria, a empresa K2 assegura a semente enquanto o IIAM orienta a Folha Verde nos ensaios on-farm.

Desta forma, o IIAM materializa a sua missão de produzir conhecimentos e soluções tecnológicas para o desenvolvimento do agro-negócio. Aliás, com os resultados até agora observáveis naquela Unidade Agro-pecuária do Posto Administrativo de Catuane, no extremo sul do país, quer os proprietários quer os outros produtores das comunidades circunvizinhas estão motivados a a abraçar a solução tecnológica de inseminação artificial e esperam ansiosamente testemunhar o desempenho dos vitelos até ao desmame culminando com o abate para o abastecimento de carne ao mercado, quando for chegada a hora certa.

O trabalho da investigação em ciências animais consegue assim demonstrar ao nível dos produtores locais, que “com a inseminação artificial pode ser aumentada a produção e a produtividade pecuária pela melhoria da qualidade genética das manadas, sob custos muito mais baixos comparativamente à aquisição e manutenção de touros”, conforme relatos colhidos durante a visita.(Abílio Changule/ DCA e Roseiro Moreira/DDIC).

EM NAMPULA: HOTÉIS BUSCAM TECNOLOGIAS DE PROCESSAMENTO DO IIAM

Plaza, Season e New, hotéis situados na Cidade de Nampula, podem parecer estranhos a muitos no contexto do desenvolvimento e transferência de tecnologias de processamento de alimentos. Todavia, sendo aqueles estabelecimentos de restauração e de confecção de alimentos para diferentes utentes, são obviamente parte importante da cadeia de valor de transferência de tecnologias agrárias no que concerne aos beneficiários finais dos produtos e serviços gerados pela investigação agrária, mormente o Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM).

A confirmar isso, sinalizam pela positiva os pedidos que a indústria hoteleira sediada na maior cidade nortenha de Moçambique passou a fazer ao IIAM para o treinamento do seu pessoal em Tecnologias de Processamento de Alimentos, incluindo cereais, leguminosas, hortícolas, frutas bem como produtos de orígem animal. Com efeito, regista-se na cidade de Nampula, cada vez mais interesse dos hotéis pelo processamento de alimentos com base em culturas desenvolvidas a partir da investigação agrária nacional, as quais são altamente nutritivas e de custo acessível.

A demanda pelo conhecimento das tecnologias de processamento de alimentos decorre de uma acção proactiva do Centro de Formação de Fruteiras de Namialo (CFFN), localizado no distrito de Meconta. Este ponto do país é atravessado pelo Corredor de Desenvolvimento de Nacala, uma das mais preferidas vias de acesso ao comércio mundial. Com essa localização estratégica, o Centro de Formação de Fruteiras de Namialo, torna-se numa das unidades experimentais e de transferência de tecnologias privilegiadas pela natureza, não devendo senão tirar usufruto disso, elevando o bom nome e a imagem do IIAM no quadro do Centro Zonal Nordeste (CZNd) a que se encontra adistrito.

Afinal pode aquele Centro de Fruteiras, que se ergue como um tesouro de transferência de tecnologias, quebrar tabus e avançar na atracção de parcerias para além da caixa, oferecendo soluções tecnológicas à indústria hoteleira consonte os pedidos desta, que aliás decorrem de uma das acções proactivas do IIAM cujo epicentro mais recente foi uma mini exposição realizada a 22 de Fevereiro de 2024 na cidade de Nampula, concretamente no Hotel Plaza. Compunham a exposição, que catapultou a demanda pelas tecnologias de processamento de alimentos do IIAM, vários sub-produtos processados, como mostram as imagens gentilmente cedidas pelo Centro de Formação de Fruteiras de Namialo. (Roseiro Mário Moreira/IIAM, Maputo).

**Intervenção Agrária em Cabo Delgado: CONSULTORES DA EMBAIXADA DA FRANÇA ACONSELHAM-SE JUNTO DO IIAM*         

Um grupo de consultores vindos da Embaixada da França em Moçambique reuniu-se a 19 de Fevereiro de 2024 com Directora Geral do IIAMO, no quadro de um processo de auscultação a várias instituições com o objectivo de colher contribuições do sector agrário sobre como intervir na agricultura em Cabo Delgado. por As contribuições serão parte de uma agenda francesa de actuação multiforme em Cabo Delgado, por forma a melhorar as condições de vida das populações vivendo nas comunidades locais daquela província nortenha do país assolada pelo terrorismo que acaba tendo um impacto transversal negativo para o desenvolvimento da agricultura e a produção de alimentos.

A Directora Geral, apoiada pela sua equipa, deu um briefing sobre o mandato do IIAM como uma instituição de investigação agrária pública, as suas principais áreas de intervenção assim como os principais beneficiários dos produtos da investigação agrária em curso no IIAM. Ademais, enfatizou a disponibilidade do IIAM em apoiar e colaborar naquilo que a instituição puder fazer para contribuir para a melhoria da diversidade agrária na província de Cabo Delgado rumo à melhoria das condições de vida das populações naquela província. (Suzie Aline e Roseiro Moreira/IIAM)

A PARTIR DE MARRACUENE E BOANE: AVALIAÇÃO AO CZS ENCERRA CHAMANDO AO MAIOR  CUMPRIMENTO DAS RECOMENDAÇÕES E À ARRECADAÇÃO DE RECEITAS PRÓPRIAS

Ao fechar as primeiras visitas de avaliação periódica do desempenho do IIAM, à luz das recomendações deixadas nas visitas anteriores às Direcções Técnicas e aos Centros Zonais, ora iniciadas no Centro Zonal Sul (CZS), a Directora Geral do IIAM trabalhou na quinta-feira (22) no Centro de Investigação Florestal (CIF), em Marracuene, e na Estação Agrária de Umbeluzi (EAU), em Boane.

Na primeira unidade experimental, CIF, a Professora Doutora Zélia Menete visitou para além de instalações e viveiros na Vila Sede de Marracuene, as Parcelas Permanentes de Investigação Florestal em Michafutene, e a Reserva Botânica de Bobole (RBB). A oportunidade serviu igualmente para passar em revista e compreender as nuances de conflitos de terra envolvendo a instituição, populações locais, e as autoridades administrativas do distrito, cuja vila sede passou recentemente ao estatuto de Autarquia.

Na Reserva Botânica de Bobole (RBB) foi abordada a preservação da planta arbustiva Raphia Autraliana , uma espécie em vias de instinção, cuja reprodução é tida como sendo bastante lenta e difícil, afigurando-se que só se adapta a dois locais (Bobole e Calanga). Neste quisito de aparente adaptação limitada a esses dois locais, a Directora Geral do IIAM recomenda buscar as razões do pormenor para eventuais acções alternativas, fazendo-se um estudo profundo dos solos e do micro ambiente envolvente. Outra das recomendações deixadas, no que à Reserva Botânica de Bobole é atinente, refere que “os produtores do viveiro comunitário devem ser incentivados a produzir plantas ornamentais e florestais para a sua própria renda”. Por outro lado, o Centro de Investigação Florestal (CIF) é chamado a “trazer soluções de resposta às mudanças climáticas para a protecção de mangais e de outras espécies florestais importantes”. Na tónica de geração de receitas sobressaem recomendações de aposta em cursos de curta duração sobre Sistemas de Informação Geográfica (GIS), comercialização de sementes florestais e outros serviços bem assim a realização de estudos sócio-económicos sobre a Raphia e mangais para que a comunidade saiba a importância dessas plantas no seu próprio meio ambiente e no ecossistema em geral.

 … COMO TODAS AS UNIDADES EXPERIMENTAIS DO IIAM UMBELUZI PODE GERAR RECEITAS PRÓPRIAS…

Na segunda unidade experimental visitada no último dia da digressão avaliativa em Boane, Umbeluzi, mais concretamente na Estação Agrária do mesmo nome, Zélia Menete inteirou-se das medidas implementadas ante o incêndio de 7 de Fevereiro e as necessidades para a reabilitação da infra-estrutura afectada pelo sinistro, bem como percorreu os campos de pesquisa de arroz e deixou novas recomendações. O incêndio atingiu um escritório, uma sala de processamento e a biblioteca, tendo ficado gravemente destruídos. Entretanto, a Directora Geral foi informada que já se

está a fazer algum esforço para a sua reabilitação.

No concernente aos campos de arroz, foi revelado que a multiplicação de semente básica da variedade Macassane, num campo de 4 hectares, atingiu o rendimento máximo de 8 toneladas por hectar, e “a semente toda já tem compradores”, como destacam os pesquisadores, o que demonstra que é possível gerar receitas com a investigação em Umbeluzi e noutras unidades experimentais do IIAM. Em face desta e de mais constatações indiciadoras de sustentabilidade da pesquisa desenvolvida, recomendações da Directora Geral do IIAM voltaram ao de cima, entre as quais:

melhorar a prestação de serviços através da disseminação e venda destes, como a realização de cursos de formação, o desenho de projetos e a assessoria técnica aos produtores familiares e empresariais com pacotes tecnológicos adequados. Ademais, a Directora Geral deixou claro, em todas as unidades visitadas que as recomendações presentes e precedentes devem todas ser transformadas em acções de seguimento imediato e de cumprimento mandatório integral, para que nas próximas avaliações não se tenha que recorrer a muitas explicações de incumprimento,  não raras vezes pouco convincentes. (Roseiro Moreira e Anica Massas/IIAM).

XAI-XAI, CHOBELA E MAZIMUCHOPES CHAMADAS AO IMPULSO DA INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS ANIMAIS!

Unidades Experimentais do lIAM para o ramo de ciências animais, situadas nos distritos de Xai-Xai e Magude, províncias de Gaza e Maputo respectivamente, são chamadas a redobrar os seus esforços para o impulso da investigação agrária, no seu ramo específico, na região que compreende o Centro Zonal Sul (Maputo, Gaza e Inhambane). Trata-se do Laboratório Regional de Veterinária de Gaza (LRVG), em Xai-Xai, e das Estações Zootécnicas de Chobela (EZC) e de Mazimuchopes (EZM), em Magude. Esta última unidade experimental encontrava-se com actividades suspensas há quase 10 anos, devido à estiagem que em 2015 não terá deixado outra opção aos gestores senão a transferência do gado bovino para a vizinha Estação Zootécnica de Chobela (EZC).

Para o relançamento desse desiderato, a Directora Geral do IIAM, que realizou uma visita de avaliação ao Centro Zonal Sul, de 20 a 22 de Fevereiro, escalou aquelas três unidades experimentais, tendo sublinhado a sua importância, porquanto desempenham um papel fundamental na promoção da saúde animal, na prevenção de doenças e na garantia da segurança alimentar, conforme indicam as nossas fontes no compasso da visita. O Laboratório Regional de Veterinária de Gaza, por exemplo, realiza análises microbiológicas e diagnósticos de doenças como brucelose, tuberculose e raiva. Já a Estação Zootécnica de Mazimuchopes (EZM) volta ao funcionamento tendo ao Chefe daquela unidade, o Dr. Avelino Nhate, sido desafiada e confiada a revitalização da mesma com muito mais brio e dedicação que devotou à Estação Zootécnica de Chobela (EZC), enquanto esteve à frente daquela, e cujo novo Chefe passa a ser o Dr. Milton Murrombe, ora empossado para prosseguir a missão de fazer ali valer a pesquisa em ciências animais. Relativamente ao desafio da retoma da Estação Zootécnica de Mazimuchopes, o Chefe que para lá retorna, deverá com outros funcionários da unidade, identificar os edifícios prioritários para a reabilitação e as necessidades para o reinício das actividades, incluindo a assistência às comunidades locais. (Roseiro Moreira e Anica Massas/IIAM).

MANIQUENIQUE CUMPRE RECOMENDAÇÕES E VIRA CENTRO DE ATENÇÕES!

Na sua alocução, a DG do IIAM sensibilizou aos funcionários com particular realce para os investigadores sobre a necessidade de envidar mais esforços na busca de financiamento através de projectos de pesquisa e outras parcerias, para além do uso racional dos recursos advientes dos projetos por forma a colmatar o défice orçamental do Estado.

Para Maniquinique, as actividades iniciaram com uma audiência de cortesia ao Secretário Permanente do Distrito de Chibuto, Ernesto Macamo, acto administrativo que antecedeu a cerimónia de sucessão de liderança no Centro de Formação Agrária de No âmbito da sua visita ao Centro Zonal Sul (CZS), que decorre de 20 a 22 de Fevereiro, enquadrada na monitoria das recomendações por si deixadas em Outubro de 2023, a Directora Geral do IIAM, Prof. Dra. Zélia Menete escalou esta terça-feira (20), a Estação Agrária de Chókwè (EAC) e o Centro de Formação Agrária de Maniquenique (CFAM), tendo neste último ponto ficado positivamente surpreendida pelas melhorias no que tange a algumas das novas instalações que podem alavancar a visibilidade institucional do IIAM a partir daquele perímetro da província de Gaza.

Na Estação Agrária de Chókwè, onde por sinal se localiza a Sede do Centro Zonal Sul, mereceram o barómetro filtrante da Dirctora Geral do IIAM, os campos de produção de semente pré-básica e básica de arroz e mandioca e os ensaios de feijão vulgar. Foi ali enfatizada a necessidade de produzir semente sob contrato com os interessados, como forma de evitar disperdício de recursos. Na mesma circunstância foi solicitada a efectivação de monitoria das tecnologias difundidas pelo IIAM a partir do CZS.

Maniquenique (CFAM). No seu discurso, a Prof. Dra. Zélia Menete enalteceu o papel desempenhado pelo Chefe de Estação  Domingos Safo, que alcançou a bênção da reforma e deixa a pasta para José Muderafa Magia, a quem cabe dar prossecução às actividades do Centro, contribuindo para o desenvolvimento da investigação e produção agrária com tacto inovador. Na ocasião Magia, expressou a sua gratidão pela confiança depositada em si e postulou o seu firme compromisso em liderar o CFAM com integridade e dedicação.

Após o acto de sucessão na liderança do CFAM, a DG do IIAM visitou os dormitórios do Centro, tendo parabolizado ao Chefe que passa à reforma pelo nível de apetrechamento dos mesmos, em claro cumprimento das recomendações deixadas em Outubro de 2023. Quer em Chókwè como em Maniquenique, a DG do IIAM exortou a todos os técnicos sobre a necessidade de um bom uso das infra-estruturas e a contínua implementação das recomendações deixadas desde a visita de Outubro de 2023. (Roseiro  Moreira, em Maputo, com notas de Alfredo Maholele, Bento Filipe e Anica Massas no terreno/IIAM)

Direitos Reservados ao IIAM 2021